Pular para o conteúdo principal

Sem pressão, reforma da Previdência passa fácil

Tem deputado esperneando contra a draconiana reforma da Previdência de Michel Temer, o controverso mandatário. Acham o conteúdo duro demais contra a população. E tem razão: mais um pouco, e aparece uma emenda propondo a revogação da Lei Áurea. Para aprovar conforme a encomenda do “Deus Mercado”, o emedebismo revogou qualquer freio moral: chantagens e ameaças de tomar cargos e cortar verbas têm sido expedientes corriqueiros para aprovar a temerária proposta.
Muito deputado tem medo de aprovar a reforma e naufragar ano que vem, nas urnas, quando o eleitorado começar a perceber o embuste traiçoeiro. É provável que situações do gênero ocorram. Mas, para conter parte dos imensos retrocessos tramados, é necessário mais: é preciso que o povo vá às ruas, protestar.
Até aqui há silêncio demais e nenhuma mobilização. Parece que o interregno petista arrefeceu os ânimos das antigas lideranças sindicais. As novas, caso existam, ainda não mostraram serviço. Essa modorra é amplamente favorável aos governistas, que tramam novos retrocessos com cínica desfaçatez. São os casos da proposta de terceirização e da revogação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), travestida de reforma trabalhista.
Parece que, quando o emedebismo mergulhar no seu ocaso, em meados do ano que vem, teremos regredido à República Velha. Afinal, direito de trabalhador se tornou privilégio; democracia é conversa fiada, perda de tempo; e a única instituição política genuinamente legítima para os novos donos do poder é o balcão, esse secular instrumento de persuasão.

Reação

A grande tragédia é que não há reação: um ou outro movimento social se manifesta, consciente dos imensos retrocessos que se avizinham; mas fica nisso, porque não existe reação nas ruas, não se articula uma oposição combativa. Talvez porque a oposição parlamentar alimente a ilusão de que vai barrar pela via do conchavo legislativo; e também, talvez quem sabe, a orgia consumista dos últimos anos tenha diluído quaisquer resquícios de consciência crítica coletiva.
É claro que o contexto é extremamente difícil: orquestrada sabe Deus por quem, a ofensiva se dá em diversos flancos – reformas previdenciária e trabalhista, terceirização, privatizações, doação de patrimônio público – e combatê-las com eficiência é difícil, exige uma articulação complexa que a sociedade desmobilizada não vai conseguir.
Há dois anos, muita gente foi às ruas dizendo-se de direita, antipetista, anticomunista. Ao contrário do que talvez alguns pensem, pobre que se perfila com o Capital também sofre. É o que se vê aí, com uma abrangente e rija revogação de direitos duramente conquistados; e com a infindável crise econômica, que também fustiga o desavisado pobre anticomunista.
Salvo um improvável surto de covardia – incomum nesses tempos de cinismo sem pudor – é improvável que o Congresso Nacional freie as draconianas reformas emedebistas. Mais adiante será necessária muita luta para atenuar os estragos que se avizinham.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Os riscos da hipotética deposição de Michel Temer

Aqui e ali, diluídos no meio do noticiário, já surgem comentários sobre a possibilidade de Michel Temer (PMDB-SP) ser apeado do poder, da mesma forma que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT). As razões variam: crime de responsabilidade no controverso episódio do edifício “La Vue”, em Salvador, irregularidades na prestação de contas eleitorais e, também, encrenca com as delações da operação Lava Jato. Temperando o mal-estar, a aguda crise econômica que, até agora, não dá sinais de que vá arrefecer no curto prazo. Indicativo que a instabilidade política vai se estender por 2017. A oposição já se assanha, prometendo protocolar pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. No momento, a iniciativa parece fadada ao fracasso: o polêmico presidente conta com base ampla e o pedido não deve prosperar. Mas ninguém sabe até quando essa tranquilidade deve prevalecer, sobretudo em função do cenário econômico adverso e das escassas medidas de curto prazo para reverter a recessão. Isso para não menc…