Pular para o conteúdo principal

Chuva tardia muda cenário no morro de São José

Finalmente começou a chover na Feira de Santana. Ontem (29), pela tarde, caiu uma trovoada intensa. Durante a madrugada, chuviscou, umedecendo o solo que foi castigado pelo sol inclemente durante meses infindáveis. Pela manhã, a cidade foi recoberta por uma extensa camada cinza de nuvens, despejando uma garoa que, em alguns instantes, ameaçou encorpar, assumir feição de trovoada. Mas ficou nisso e, aos poucos, o chuvisco foi cedendo, apesar das nuvens escuras permaneceram cobrindo o céu.
Ontem, a chuva da tarde foi tão intensa que a afamada serra de São José, no distrito de Maria Quitéria, se diluiu na cortina d’água. Sequer a silhueta esbranquiçada era visível a partir da BR 116 Norte. A trovoada encurtou os horizontes. Até os longilíneos coqueiros das cercanias da estrada diluíram-se, balançando sob o vento que reforçava o temporal.
Quem sempre transita por ali estava acostumado às manhãs e tardes incandescentes, que produziam tons diferentes sobre a serra de São José. A princípio, a luminosidade realçava o verde da vegetação que foi se rarefazendo com a escassez de chuvas; também se insinuavam tons azulados, minerais, sobretudo com sol intenso e céu limpo; por fim, via-se a terra nua, marrom, devastada.
Não foram raros os focos de incêndio, inclusive no cume da serra. De lá se desprendia uma fumaça escura, diáfana, que se diluía no céu azul. Mas, ontem, mudou o tempo e a trovoada envolveu a silhueta da serra de São José. A tarde caiu com uma densidade plúmbea dominando seus recortes. Coisa rara nos últimos tempos.

Efeitos

As chuvas de hoje tornaram o asfalto escorregadio, reduziram a velocidade dos veículos e forçaram os motoristas a circular com faróis acesos. As compridas ruas do Parque Ipê e do Campo Limpo acumularam água, o que também sempre acontece no centro da cidade. Não faltaram internautas compartilhando fotos das torrentes barrentas que escorriam ontem à tarde.
A previsão do tempo indica que a chuva pode persistir pelos próximos dias. Seria ótimo para umedecer o solo, vicejar alguma vegetação, reforçar reservas, talvez animar o trabalhador rural a lançar alguma semente à terra para, quem sabe, ser recompensado com uma feliz colheita lá adiante. Mas, por enquanto, tudo não passa de esperança tênue. Afinal, a época das trovoadas finda e chuvas mais intensas só em meados do ano.
Contrariando a sabedoria sertaneja, pelo menos por aqui, a chuva não veio até o 19 de março, data consagrada a São José no calendário católico. De qualquer forma, permanece a esperança de que as chuvas continuem e, a partir de julho, haja nas ruas e nas feiras o milho e o amendoim que tanto apetecem o paladar dos feirenses.
A agricultura familiar é um segmento importante da economia feirense, apesar de sua pouca visibilidade. Com a hipotética retomada das chuvas, ganham desde o produtor no campo até a dona-de-casa, que gasta menos nas compras, passando por pequenos comerciantes e pelo próprio governo, que recolhe impostos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Os riscos da hipotética deposição de Michel Temer

Aqui e ali, diluídos no meio do noticiário, já surgem comentários sobre a possibilidade de Michel Temer (PMDB-SP) ser apeado do poder, da mesma forma que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT). As razões variam: crime de responsabilidade no controverso episódio do edifício “La Vue”, em Salvador, irregularidades na prestação de contas eleitorais e, também, encrenca com as delações da operação Lava Jato. Temperando o mal-estar, a aguda crise econômica que, até agora, não dá sinais de que vá arrefecer no curto prazo. Indicativo que a instabilidade política vai se estender por 2017. A oposição já se assanha, prometendo protocolar pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. No momento, a iniciativa parece fadada ao fracasso: o polêmico presidente conta com base ampla e o pedido não deve prosperar. Mas ninguém sabe até quando essa tranquilidade deve prevalecer, sobretudo em função do cenário econômico adverso e das escassas medidas de curto prazo para reverter a recessão. Isso para não menc…