Pular para o conteúdo principal

E se a crise política for além de 2018?

Estamos a exatamente 19 meses das eleições presidenciais. Parecem distantes. E, realmente, estão. Só que a interminável crise política, que se arrasta desde meados de 2014, vem provocando, em muitos brasileiros, esta revoada em direção ao futuro. Imaginam que, chegando logo às próximas eleições, o cenário vai, enfim, desembaçar e se retornará à normalidade política. Talvez haja excesso de otimismo nessa crença. Nada indica que, em 2018, chegue-se à almejada pacificação dos espíritos.
Talvez ocorra o contrário: o clima político na eleição pode ser ainda pior que em 2014, quando trincheiras imaginárias viabilizaram o quiproquó em curso. Afinal, Lula, que desperta ódios instintivos em muita gente, lidera as pesquisas no momento; e, até aqui, o candidato mais robusto dos antipetistas é o polêmico Jair Bolsonaro. Nenhuma garantia, portanto, de disputa em patamares minimamente civilizados.
É claro que o momento não é favorável às conjecturas: vem aí as delações da empreiteira Odebrecht na Lava Jato e muita lama ainda vai ser revolvida. É provável que pouquíssimos sobrevivam às citações; e menos gente ainda tenha condição de competir nas eleições presidenciais. Mas isso só o transcorrer dos próximos dias vai confirmar.
Os petistas apostam na capacidade de Lula de pacificar o País, de conciliar interesses conflitantes, como fez nos seus dois mandatos. Só que o cenário mudou muito. E Lula já não é aquela quase unanimidade de dez anos atrás. Vá lá que não repita o trágico desempenho da ex-presidente Dilma Rousseff, mas seus adversários serão, certamente, implacáveis. Basta isso para que a crise política siga se arrastando lá adiante.

Extremismo

Há possibilidades piores, no entanto. E nós, sequer, podemos reclamar de não termos sido previamente avisados: é só prestar atenção no desastre inglês – com a saída da União Europeia – e na eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos. O extremismo, a reação contra tudo e contra todos, pode dar em catástrofe do gênero.
O pior é que, domesticamente, temos gente credenciada para nos conduzir ao desastre. Um deles é Jair Bolsonaro, justamente o antipetista mais bem posicionado nas pesquisas até aqui. Imerso em inúmeras polêmicas com a esquerda, desperta entusiasmadas – e preocupantes – simpatias de muita gente. Seu desempenho nas pesquisas não é casual.
Cenários do gênero indicam que, a partir de 2019, o problema pode apenas mudar de lugar: sai o contestado Michel Temer e sua trupe e entra alguém que, mesmo referendado pelas urnas, não dispõe de condições de atenuar as fraturas políticas, sinalizando para o epílogo das entrelaçadas crises política e econômica.
A crise econômica, a propósito, é outro elemento de instabilidade. Caso não arrefeça, pode aprofundar as insatisfações, alimentando a espiral do radicalismo. É um fenômeno que não deixa de ser previsível em países em crise econômica e com instituições frágeis, como é o caso brasileiro. O fato é que 2018 está muito longe. O mais desalentador, porém, é imaginar que 2019 pode ser, apenas, um ano a mais nesta interminável sucessão de crises...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural de Feira de Santana I

A Sede da Prefeitura Municipal



A história do prédio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana começou há 129 anos, em 1880. Naquela oportunidade, a Câmara Municipal adquiriu o imóvel para sediar o Executivo, que não dispunha de instalações adequadas. Hoje talvez cause estranheza a iniciativa partir do Legislativo, mas é que naqueles anos os vereadores acumulavam o papel reservado aos atuais prefeitos. Em 1906 o município crescia e o prédio de então já não atendia às necessidades do Executivo. Foi, então, adquirido um outro imóvel utilizado como anexo da prefeitura.
Passaram-se 14 anos e veio a iniciativa de se construir um prédio único e que abrigasse com comodidade a administração municipal. Após a autorização da construção da nova sede em 1920, o intendente Bernardino Bahia lançou a pedra fundamental em 1921. O engenheiro Acciolly Ferreira da Silva assumiu a responsabilidade técnica.
No início do século XX Feira de Santana experimentou uma robusta expansão urbana. Além do prédio da p…

O Candomblé na Feira de Santana

Em Salvador, 53 terreiros de candomblé estão sendo revitalizados pelo governo estadual. As obras, que não vão absorver muitos recursos, têm um caráter mais simbólico que propriamente material, embora muitos terreiros tradicionais estejam em situação física muito precária, exigindo reparos. Responsável pela perpetuação da cultura de matriz africana, o candomblé foi implacavelmente perseguido durante séculos – e ainda é – e revitalizar os terreiros é uma iniciativa de reparação importante.

No carnaval, no dia-a-dia de quem visita a capital baiana, o candomblé, com seus ritos e orixás, está sempre presente. Certamente a crença de origem africana, trazida nos porões dos navios negreiros, é o traço cultural mais marcante da Baía de Todos os Santos e do seu entorno.

Boa parte dos negros que atravessaram involuntariamente o Atlântico para lançar as bases de cultura e da religião africanas nas Américas vieram para a Bahia e Salvador se tornou uma cidade negra, assim como outras do Caribe e da A…