Pular para o conteúdo principal

Ataques evidenciam presença do “Novo Cangaço” na região

Em menos de dois meses, duas agências bancárias foram saqueadas em Cachoeira, município vizinho aqui da Feira de Santana. O ataque só não teve maior alcance porque, em dois outros bancos, os criminosos não conseguiram arrebentar os caixas eletrônicos. Um deles ocorreu no belo e antigo prédio que sedia o Banco do Brasil na cidade. O outro foi em uma agência do Bradesco. Como é praxe, em nenhum dos ataques se soube quanto os ladrões levaram.
Dois fatores fundamentais explicam os ataques em sequência ao município. Um deles envolve a dimensão logística: Cachoeira é próxima da BR 101, não é distante da BR 324 e, a partir dela, pode-se acessar diversas rodovias baianas, percorrendo distâncias relativamente curtas. Quem conhece a fundo esses caminhos, escapa com maiores chances de êxito.
Os atrativos, porém, vão além: um intrincado sistema de estradas locais interliga Cachoeira a distritos e pontos inimagináveis àqueles que desconhecem a região. É fácil esconder-se, aguardando momento mais propício para a fuga. A estratégia orienta muitos ataques a agências bancárias que acontecem Bahia afora.
Há outro fator fundamental: a presença de quadrilhas estruturadas – as chamadas facções – não apenas em Cachoeira, mas também nos municípios vizinhos. Comenta-se na cidade que muitos criminosos locais atuam associados a organizações de Salvador e até mesmo de São Paulo. Ninguém sabe se isso, de fato, é verdade; mas que o modus operandi é similar, é necessário reconhecer.

Novo Cangaço

Em fevereiro e meados de março os ataques aconteceram pela madrugada. Uma infinidade de tiros foi disparada para intimidar policiais ou eventuais curiosos; na fuga, os criminosos queimaram carros em locais estratégicos para dificultar a perseguição. Em ambos os ataques, a imponente e histórica ponte Dom Pedro II – que liga Cachoeira a São Félix – foi palco desses incêndios.
É evidente, em Cachoeira, o uso do método consagrado como “Novo Cangaço” em inúmeros ataques Brasil afora. A estratégia vem sendo lapidada desde o início da década passada, do Acre à Bahia, do Ceará ao Rio Grande do Sul, passando por Mato Grosso e São Paulo, estados de grande incidência dessas ações. Pode haver mera inspiração, mas a presença de experts nessa modalidade, oriundos de outros estados, não pode ser descartada.
O mais assustador é que esses experts podem estar residindo aqui perto, pelas cercanias, utilizando a região como base para seus ataques. Daí a repetição da investida em Cachoeira. O fato é que esses bandos agem com inteligência e sofisticação acima da criminalidade média. E as instituições policiais se mostram pouco preparadas para contê-los, antecipando-se às suas ações.
Ataques futuros – e, talvez, próximos – não podem ser descartados na região. Nessa modalidade criminal, método, equipamentos – armas e veículos – e mão de obra qualificada se movem com espantosa facilidade pelas fronteiras porosas do País. Criminosos que agem no Norte ou no Sul do Brasil podem, amanhã, estar oferecendo suporte para ousadas – e lucrativas – ações pelo país, inclusive por aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural de Feira de Santana I

A Sede da Prefeitura Municipal



A história do prédio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana começou há 129 anos, em 1880. Naquela oportunidade, a Câmara Municipal adquiriu o imóvel para sediar o Executivo, que não dispunha de instalações adequadas. Hoje talvez cause estranheza a iniciativa partir do Legislativo, mas é que naqueles anos os vereadores acumulavam o papel reservado aos atuais prefeitos. Em 1906 o município crescia e o prédio de então já não atendia às necessidades do Executivo. Foi, então, adquirido um outro imóvel utilizado como anexo da prefeitura.
Passaram-se 14 anos e veio a iniciativa de se construir um prédio único e que abrigasse com comodidade a administração municipal. Após a autorização da construção da nova sede em 1920, o intendente Bernardino Bahia lançou a pedra fundamental em 1921. O engenheiro Acciolly Ferreira da Silva assumiu a responsabilidade técnica.
No início do século XX Feira de Santana experimentou uma robusta expansão urbana. Além do prédio da p…

O Candomblé na Feira de Santana

Em Salvador, 53 terreiros de candomblé estão sendo revitalizados pelo governo estadual. As obras, que não vão absorver muitos recursos, têm um caráter mais simbólico que propriamente material, embora muitos terreiros tradicionais estejam em situação física muito precária, exigindo reparos. Responsável pela perpetuação da cultura de matriz africana, o candomblé foi implacavelmente perseguido durante séculos – e ainda é – e revitalizar os terreiros é uma iniciativa de reparação importante.

No carnaval, no dia-a-dia de quem visita a capital baiana, o candomblé, com seus ritos e orixás, está sempre presente. Certamente a crença de origem africana, trazida nos porões dos navios negreiros, é o traço cultural mais marcante da Baía de Todos os Santos e do seu entorno.

Boa parte dos negros que atravessaram involuntariamente o Atlântico para lançar as bases de cultura e da religião africanas nas Américas vieram para a Bahia e Salvador se tornou uma cidade negra, assim como outras do Caribe e da A…