Pular para o conteúdo principal

Ataques evidenciam presença do “Novo Cangaço” na região

Em menos de dois meses, duas agências bancárias foram saqueadas em Cachoeira, município vizinho aqui da Feira de Santana. O ataque só não teve maior alcance porque, em dois outros bancos, os criminosos não conseguiram arrebentar os caixas eletrônicos. Um deles ocorreu no belo e antigo prédio que sedia o Banco do Brasil na cidade. O outro foi em uma agência do Bradesco. Como é praxe, em nenhum dos ataques se soube quanto os ladrões levaram.
Dois fatores fundamentais explicam os ataques em sequência ao município. Um deles envolve a dimensão logística: Cachoeira é próxima da BR 101, não é distante da BR 324 e, a partir dela, pode-se acessar diversas rodovias baianas, percorrendo distâncias relativamente curtas. Quem conhece a fundo esses caminhos, escapa com maiores chances de êxito.
Os atrativos, porém, vão além: um intrincado sistema de estradas locais interliga Cachoeira a distritos e pontos inimagináveis àqueles que desconhecem a região. É fácil esconder-se, aguardando momento mais propício para a fuga. A estratégia orienta muitos ataques a agências bancárias que acontecem Bahia afora.
Há outro fator fundamental: a presença de quadrilhas estruturadas – as chamadas facções – não apenas em Cachoeira, mas também nos municípios vizinhos. Comenta-se na cidade que muitos criminosos locais atuam associados a organizações de Salvador e até mesmo de São Paulo. Ninguém sabe se isso, de fato, é verdade; mas que o modus operandi é similar, é necessário reconhecer.

Novo Cangaço

Em fevereiro e meados de março os ataques aconteceram pela madrugada. Uma infinidade de tiros foi disparada para intimidar policiais ou eventuais curiosos; na fuga, os criminosos queimaram carros em locais estratégicos para dificultar a perseguição. Em ambos os ataques, a imponente e histórica ponte Dom Pedro II – que liga Cachoeira a São Félix – foi palco desses incêndios.
É evidente, em Cachoeira, o uso do método consagrado como “Novo Cangaço” em inúmeros ataques Brasil afora. A estratégia vem sendo lapidada desde o início da década passada, do Acre à Bahia, do Ceará ao Rio Grande do Sul, passando por Mato Grosso e São Paulo, estados de grande incidência dessas ações. Pode haver mera inspiração, mas a presença de experts nessa modalidade, oriundos de outros estados, não pode ser descartada.
O mais assustador é que esses experts podem estar residindo aqui perto, pelas cercanias, utilizando a região como base para seus ataques. Daí a repetição da investida em Cachoeira. O fato é que esses bandos agem com inteligência e sofisticação acima da criminalidade média. E as instituições policiais se mostram pouco preparadas para contê-los, antecipando-se às suas ações.
Ataques futuros – e, talvez, próximos – não podem ser descartados na região. Nessa modalidade criminal, método, equipamentos – armas e veículos – e mão de obra qualificada se movem com espantosa facilidade pelas fronteiras porosas do País. Criminosos que agem no Norte ou no Sul do Brasil podem, amanhã, estar oferecendo suporte para ousadas – e lucrativas – ações pelo país, inclusive por aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…

Os riscos da hipotética deposição de Michel Temer

Aqui e ali, diluídos no meio do noticiário, já surgem comentários sobre a possibilidade de Michel Temer (PMDB-SP) ser apeado do poder, da mesma forma que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT). As razões variam: crime de responsabilidade no controverso episódio do edifício “La Vue”, em Salvador, irregularidades na prestação de contas eleitorais e, também, encrenca com as delações da operação Lava Jato. Temperando o mal-estar, a aguda crise econômica que, até agora, não dá sinais de que vá arrefecer no curto prazo. Indicativo que a instabilidade política vai se estender por 2017. A oposição já se assanha, prometendo protocolar pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. No momento, a iniciativa parece fadada ao fracasso: o polêmico presidente conta com base ampla e o pedido não deve prosperar. Mas ninguém sabe até quando essa tranquilidade deve prevalecer, sobretudo em função do cenário econômico adverso e das escassas medidas de curto prazo para reverter a recessão. Isso para não menc…