Pular para o conteúdo principal

Mandatário de Tietê emplaca terceirização

O olhar perdido costuma ser sintoma de preocupação. As órbitas fixam algo no horizonte, mas a mente vai muito além, viaja percorrendo o insondável, remoendo coisas desagradáveis. É que o rosto sempre está contraído ou exibe uma expressão de tristeza. O corpo denota esse estado de espírito: braços prostrados, mãos sem jeito, ombros arqueados. Nessas situações a mente doideja e o corpo segue, dócil, os desarranjos da fantasia. Quem enfrenta problemas graves em algum momento da vida, muitas vezes, fica nesse estado. Embaraços financeiros são motivo frequente.
Nas andanças pela vida, já vi muito trabalhador com esse aspecto por aí. Gente marchando no calote por serviços prestados, por produtos vendidos, em ocupações precárias com remuneração instável. E também trabalhadores terceirizados, que desempenham suas funções em empresas privadas e no serviço público. Dizem que situações do gênero vão mudar: a novíssima legislação aprovada na quarta-feira, regulamentando a terceirização, pretende proteger os trabalhadores. É o que afirmam seus patrocinadores.
Terceirização é sinônimo de precariedade: os apóstolos desse sistema desfiam vantagens, repisam bordões, engatam frases feitas, mas acabam tangenciando a questão central: para o patrão, a terceirização é um ótimo negócio. E, basicamente, só para ele. A lei antiga, de 1998, desenterrada sob medida pelos patrões encastelados na Câmara dos Deputados, é um atentado à civilidade, à pretensa modernidade do século XXI. Só poderia passar mesmo sob as bênçãos de um governo crivado de suspeitas de corrupção e alçado ao poder mediante uma manobra traiçoeira.
Aprovar a lei argumentando que se visa assegurar direito de trabalhador não passa de empulhação, de mentira abjeta. Não foi à toa que a chamada grande imprensa mal abordou o tema no noticiário. Poderia provocar suspeitas, estimular alguma reação. Não: melhor relegá-la ao silêncio para colher os frutos adiante. Letárgico, o brasileiro vai assistindo, passivamente, aos seus parcos direitos sendo desmontados um a um.

Lei Áurea

Quando o controverso Michel Temer – o mandatário de Tietê – fez aquele discurso primoroso sobre a mulher em 8 de março, houve quem apostasse que, pelo andar da carruagem, em 13 de maio a Lei Áurea poderia ser revogada. Nem precisou tanto tempo: alguns passos foram dados com a lei da terceirização. Agora, vai se tornar normal contratar funcionário temporário por longos intervalos. E mandá-lo embora e readmiti-lo depois, num ciclo infinito no qual o infeliz não terá direitos trabalhistas a reclamar: a lei, agora, permite isso.
Mas mesmo os terceirizados com direitos supostamente garantidos não deverão ficar muito esperançosos: é longo o caminho da Justiça até que decisões judiciais o favoreçam. E é amplamente liberal a legislação sobre as empresas que vão intermediar mão-de-obra, incluindo aí o patrimônio para quitação de débitos com trabalhadores. As pendengas devem se arrastar durante décadas e poucos persistirão até que prevaleçam seus direitos.
A imprensa diligente trombeteia que mais empregos serão gerados a partir da precarização travestida de terceirização. Os exemplos, todavia, não são pujantes pelo mundo. Basta observar a Europa que emergiu após a crise de 2008. Também se fala gulosamente dos saltos de produtividade, do crescimento econômico, do impulso ao desenvolvimento e de outras sentimentalidades. É até comovente ver tanto benefício.
Pelas evidências, tudo balela: os salários declinarão; direitos serão extintos; a precariedade crescerá; as desigualdades se aprofundarão; e os festejados efeitos positivos da liberalização serão contrabalançados pelo acesso mais restrito à festa do consumo. Nada de novo no front econômico, portanto.
Daqui por diante, quem sobreviver, verá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…

Os riscos da hipotética deposição de Michel Temer

Aqui e ali, diluídos no meio do noticiário, já surgem comentários sobre a possibilidade de Michel Temer (PMDB-SP) ser apeado do poder, da mesma forma que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT). As razões variam: crime de responsabilidade no controverso episódio do edifício “La Vue”, em Salvador, irregularidades na prestação de contas eleitorais e, também, encrenca com as delações da operação Lava Jato. Temperando o mal-estar, a aguda crise econômica que, até agora, não dá sinais de que vá arrefecer no curto prazo. Indicativo que a instabilidade política vai se estender por 2017. A oposição já se assanha, prometendo protocolar pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. No momento, a iniciativa parece fadada ao fracasso: o polêmico presidente conta com base ampla e o pedido não deve prosperar. Mas ninguém sabe até quando essa tranquilidade deve prevalecer, sobretudo em função do cenário econômico adverso e das escassas medidas de curto prazo para reverter a recessão. Isso para não menc…