Pular para o conteúdo principal

Novo recorde: 14 mil desempregados desde 2014

O número de pessoas que perderam seus empregos formais em janeiro de 2017 mais que dobrou em relação ao mesmo mês do ano passado. Isso mesmo: há alguns dias anunciou-se que, no primeiro mês do ano, exatos 513 postos de trabalho haviam sido extintos na Feira de Santana. Em 2016, quando ninguém achava que a crise estava perto do fim, foram 240 demitidos além do número de admitidos. Todos esses dados são oficiais, extraídos do site do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).
Em relação a dezembro, porém, o saldo negativo caiu pela metade: foram 1.031 empregos a menos, no mais terrível mês para o mercado de trabalho no município. Mês, inclusive, atípico para tantas demissões. Na comparação, em termos absolutos, a situação segue dramática, porque o desemprego não verga; mas ainda é cedo para apostar em taxa declinante, à primeira vista.
Quem mais sofreu em janeiro foram os comerciários: saldo negativo de 105 postos de trabalho; os serventes de obra e pedreiros, por sua vez, permanecem na mesma sina: foram extintos, no saldo, 89 e 71 empregos, respectivamente. No ramo do telemarketing também houve enxugamento: 66 oportunidades deixaram de existir.
Desde meados de 2014, já são quase 14 mil empregos formais que se esfumaçaram na Feira de Santana. São pelo menos 50 mil pessoas, de alguma maneira, afetadas pelo descalabro que traz consigo a insegurança. Isso sem mencionar, claro, os postos informais que vão se perdendo também, sem estimativas oficiais confiáveis.

Junho

Ironicamente, o noticiário, todos os dias, vem martelando que o Brasil, enfim, está saindo da recessão; que nos próximos dias e meses brotarão indicadores positivos, resgatando a esperança que o petismo soterrou; e, com as propaladas reformas, o País finalmente vai mergulhar em uma espiral de crescimento vertiginosa.
O êxtase dos economistas do mercado financeiro e da imprensa especializada não encontra eco junto à população. Afinal, a aprovação do controverso mandatário, Michel Temer, rasteja em quase um dígito. E, apesar de toda a pirotecnia, o cidadão não vê sua vida melhorar e, por essa razão, não encontra motivos para o otimismo e a esperança nas reformas traiçoeiras.
Instituições como o Fundo Monetário Internacional, o FMI, dizem que o desemprego vai crescer até o mês de junho. E, a partir de lá, em função da elevada capacidade ociosa na economia, tende a cair vagarosamente ao longo dos próximos anos. A própria projeção de crescimento do Produto Interno Bruto, o PIB, não ultrapassa o 1%.
Até as festas juninas, pelo menos, o cenário com certeza vai continuar funesto. Até lá há, pela frente, a Semana Santa, feriadões, Corpus Christi e, por fim, o São João. Tempos de descontração para alguns e de intensas preocupações para outros. Talvez, em meados de junho, o município alcance o triste recorde de 15 mil desempregados desde 2014...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural de Feira de Santana I

A Sede da Prefeitura Municipal



A história do prédio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana começou há 129 anos, em 1880. Naquela oportunidade, a Câmara Municipal adquiriu o imóvel para sediar o Executivo, que não dispunha de instalações adequadas. Hoje talvez cause estranheza a iniciativa partir do Legislativo, mas é que naqueles anos os vereadores acumulavam o papel reservado aos atuais prefeitos. Em 1906 o município crescia e o prédio de então já não atendia às necessidades do Executivo. Foi, então, adquirido um outro imóvel utilizado como anexo da prefeitura.
Passaram-se 14 anos e veio a iniciativa de se construir um prédio único e que abrigasse com comodidade a administração municipal. Após a autorização da construção da nova sede em 1920, o intendente Bernardino Bahia lançou a pedra fundamental em 1921. O engenheiro Acciolly Ferreira da Silva assumiu a responsabilidade técnica.
No início do século XX Feira de Santana experimentou uma robusta expansão urbana. Além do prédio da p…

O Candomblé na Feira de Santana

Em Salvador, 53 terreiros de candomblé estão sendo revitalizados pelo governo estadual. As obras, que não vão absorver muitos recursos, têm um caráter mais simbólico que propriamente material, embora muitos terreiros tradicionais estejam em situação física muito precária, exigindo reparos. Responsável pela perpetuação da cultura de matriz africana, o candomblé foi implacavelmente perseguido durante séculos – e ainda é – e revitalizar os terreiros é uma iniciativa de reparação importante.

No carnaval, no dia-a-dia de quem visita a capital baiana, o candomblé, com seus ritos e orixás, está sempre presente. Certamente a crença de origem africana, trazida nos porões dos navios negreiros, é o traço cultural mais marcante da Baía de Todos os Santos e do seu entorno.

Boa parte dos negros que atravessaram involuntariamente o Atlântico para lançar as bases de cultura e da religião africanas nas Américas vieram para a Bahia e Salvador se tornou uma cidade negra, assim como outras do Caribe e da A…