Pular para o conteúdo principal

É hora de avaliar os avanços da habitação popular

Tudo indica que o ciclo de vultosos investimentos em habitação popular está findando no Brasil. Uma das razões, óbvia, é a forte contração no orçamento, decorrente da crise econômica, cujos efeitos já começam a ficar visíveis; outra razão é que os parcos recursos disponíveis serão compartilhados com projetos voltados para a população de renda média, que não era tão priorizada nos governos petistas. Quem tem condições de financiar imóveis mais caros também vai passar a contar com mais apoio oficial na captação de crédito.
É provável que, nos próximos anos, o déficit habitacional volte a crescer; que o número de habitações precárias também se amplie; e que alguns avanços conquistados nos últimos anos se diluam. Afinal, está aí em vigor uma emenda constitucional que limita os gastos públicos. E isso, quase sempre, é sinônimo de gastar pouco – ou nada – com pobre.
Feira de Santana foi dos municípios brasileiros mais beneficiados pelos investimentos do Minha Casa Minha Vida (MCMV). Cerca de 20 mil moradias foram construídas ao longo da última década, de acordo com números oficiais. As inaugurações, inclusive, começaram por aqui, em 2010, quando Dilma Rousseff (PT) disputava seu primeiro mandato.
Talvez seja o momento de começar a fazer um balanço do impacto desse programa sobre a vida da cidade. Afinal, o ciclo findou; e milhares de feirenses ocupam, há alguns anos já, vários desses condomínios. É a partir da compreensão dessa realidade que se poderá, lá adiante, recomeçar um novo ciclo, quando o País reingressar numa era mais arejada.

Periferia

Uma constatação fundamental é que, na cidade, muita gente foi de fato beneficiada pelo programa. São os pobres que moravam em habitações precárias ou que arcavam com alugueis incompatíveis com seus rendimentos; ou, ainda, que compartilhavam habitações com outras famílias, com gente demais em espaços exíguos. Esses, sem dúvida, foram favorecidos, sobretudo em função do valor simbólico pago pelo imóvel onde residem.
Os problemas, no entanto, foram se tornando visíveis ao longo dos anos. Houve contemplado colocando o imóvel à venda e, apenas algum tempo depois da inauguração, já havia reclamações referentes a pisos cedendo, esgotos entupidos, rachaduras e infiltrações. Notícias do gênero foram se acumulando ao longo dos anos na imprensa. Mas, dado o clima festivo da época, pouca importância se dava às reclamações da população pobre.
A violência nesses novos residenciais também ganhou as manchetes rapidamente. Nas cercanias ou na própria área dos conjuntos, moradores são assassinados com espantosa frequência. Normalmente, jovens negros, supostamente envolvidos com o tráfico de drogas. As ocorrências figuram nas estatísticas, clama-se por mais segurança, mas o caso logo cai no esquecimento, até o surgimento de novo episódio.
Habitações precárias e entorno violento são características comuns dos bolsões de pobreza. O que espanta, porém, é a velocidade impressionante da deterioração desses ambientes. Talvez uma hipótese singela ilumine o caminho: como essas pessoas ganharam apenas um teto – e todas as demais dimensões de suas vidas seguem precárias – é natural que as mesmas dificuldades sejam transpostas para seus novos lares, acompanhando-as.  
Obviamente, esse texto não tem a pretensão de esgotar o tema. Sequer de listar, sumariamente, todas as dificuldades. A questão é complexa e exige interpretações bem mais abrangentes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural de Feira de Santana I

A Sede da Prefeitura Municipal



A história do prédio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana começou há 129 anos, em 1880. Naquela oportunidade, a Câmara Municipal adquiriu o imóvel para sediar o Executivo, que não dispunha de instalações adequadas. Hoje talvez cause estranheza a iniciativa partir do Legislativo, mas é que naqueles anos os vereadores acumulavam o papel reservado aos atuais prefeitos. Em 1906 o município crescia e o prédio de então já não atendia às necessidades do Executivo. Foi, então, adquirido um outro imóvel utilizado como anexo da prefeitura.
Passaram-se 14 anos e veio a iniciativa de se construir um prédio único e que abrigasse com comodidade a administração municipal. Após a autorização da construção da nova sede em 1920, o intendente Bernardino Bahia lançou a pedra fundamental em 1921. O engenheiro Acciolly Ferreira da Silva assumiu a responsabilidade técnica.
No início do século XX Feira de Santana experimentou uma robusta expansão urbana. Além do prédio da p…

O Candomblé na Feira de Santana

Em Salvador, 53 terreiros de candomblé estão sendo revitalizados pelo governo estadual. As obras, que não vão absorver muitos recursos, têm um caráter mais simbólico que propriamente material, embora muitos terreiros tradicionais estejam em situação física muito precária, exigindo reparos. Responsável pela perpetuação da cultura de matriz africana, o candomblé foi implacavelmente perseguido durante séculos – e ainda é – e revitalizar os terreiros é uma iniciativa de reparação importante.

No carnaval, no dia-a-dia de quem visita a capital baiana, o candomblé, com seus ritos e orixás, está sempre presente. Certamente a crença de origem africana, trazida nos porões dos navios negreiros, é o traço cultural mais marcante da Baía de Todos os Santos e do seu entorno.

Boa parte dos negros que atravessaram involuntariamente o Atlântico para lançar as bases de cultura e da religião africanas nas Américas vieram para a Bahia e Salvador se tornou uma cidade negra, assim como outras do Caribe e da A…