Pular para o conteúdo principal

É hora de avaliar os avanços da habitação popular

Tudo indica que o ciclo de vultosos investimentos em habitação popular está findando no Brasil. Uma das razões, óbvia, é a forte contração no orçamento, decorrente da crise econômica, cujos efeitos já começam a ficar visíveis; outra razão é que os parcos recursos disponíveis serão compartilhados com projetos voltados para a população de renda média, que não era tão priorizada nos governos petistas. Quem tem condições de financiar imóveis mais caros também vai passar a contar com mais apoio oficial na captação de crédito.
É provável que, nos próximos anos, o déficit habitacional volte a crescer; que o número de habitações precárias também se amplie; e que alguns avanços conquistados nos últimos anos se diluam. Afinal, está aí em vigor uma emenda constitucional que limita os gastos públicos. E isso, quase sempre, é sinônimo de gastar pouco – ou nada – com pobre.
Feira de Santana foi dos municípios brasileiros mais beneficiados pelos investimentos do Minha Casa Minha Vida (MCMV). Cerca de 20 mil moradias foram construídas ao longo da última década, de acordo com números oficiais. As inaugurações, inclusive, começaram por aqui, em 2010, quando Dilma Rousseff (PT) disputava seu primeiro mandato.
Talvez seja o momento de começar a fazer um balanço do impacto desse programa sobre a vida da cidade. Afinal, o ciclo findou; e milhares de feirenses ocupam, há alguns anos já, vários desses condomínios. É a partir da compreensão dessa realidade que se poderá, lá adiante, recomeçar um novo ciclo, quando o País reingressar numa era mais arejada.

Periferia

Uma constatação fundamental é que, na cidade, muita gente foi de fato beneficiada pelo programa. São os pobres que moravam em habitações precárias ou que arcavam com alugueis incompatíveis com seus rendimentos; ou, ainda, que compartilhavam habitações com outras famílias, com gente demais em espaços exíguos. Esses, sem dúvida, foram favorecidos, sobretudo em função do valor simbólico pago pelo imóvel onde residem.
Os problemas, no entanto, foram se tornando visíveis ao longo dos anos. Houve contemplado colocando o imóvel à venda e, apenas algum tempo depois da inauguração, já havia reclamações referentes a pisos cedendo, esgotos entupidos, rachaduras e infiltrações. Notícias do gênero foram se acumulando ao longo dos anos na imprensa. Mas, dado o clima festivo da época, pouca importância se dava às reclamações da população pobre.
A violência nesses novos residenciais também ganhou as manchetes rapidamente. Nas cercanias ou na própria área dos conjuntos, moradores são assassinados com espantosa frequência. Normalmente, jovens negros, supostamente envolvidos com o tráfico de drogas. As ocorrências figuram nas estatísticas, clama-se por mais segurança, mas o caso logo cai no esquecimento, até o surgimento de novo episódio.
Habitações precárias e entorno violento são características comuns dos bolsões de pobreza. O que espanta, porém, é a velocidade impressionante da deterioração desses ambientes. Talvez uma hipótese singela ilumine o caminho: como essas pessoas ganharam apenas um teto – e todas as demais dimensões de suas vidas seguem precárias – é natural que as mesmas dificuldades sejam transpostas para seus novos lares, acompanhando-as.  
Obviamente, esse texto não tem a pretensão de esgotar o tema. Sequer de listar, sumariamente, todas as dificuldades. A questão é complexa e exige interpretações bem mais abrangentes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Os riscos da hipotética deposição de Michel Temer

Aqui e ali, diluídos no meio do noticiário, já surgem comentários sobre a possibilidade de Michel Temer (PMDB-SP) ser apeado do poder, da mesma forma que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT). As razões variam: crime de responsabilidade no controverso episódio do edifício “La Vue”, em Salvador, irregularidades na prestação de contas eleitorais e, também, encrenca com as delações da operação Lava Jato. Temperando o mal-estar, a aguda crise econômica que, até agora, não dá sinais de que vá arrefecer no curto prazo. Indicativo que a instabilidade política vai se estender por 2017. A oposição já se assanha, prometendo protocolar pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. No momento, a iniciativa parece fadada ao fracasso: o polêmico presidente conta com base ampla e o pedido não deve prosperar. Mas ninguém sabe até quando essa tranquilidade deve prevalecer, sobretudo em função do cenário econômico adverso e das escassas medidas de curto prazo para reverter a recessão. Isso para não menc…