Pular para o conteúdo principal

Agora querem privatizar os Correios

Querem privatizar a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. É o que já se insinua a partir do noticiário dos últimos dias. O script é o mesmo de sempre: primeiro anunciam-se prejuízos milionários – o que não deixa de ser verdade -, em tom de descalabro; depois se afirma que a direção da empresa sempre foi indicada pelos partidos políticos, o que explica esse descalabro. Fica, então, um silêncio calculado no ar: qual a solução para o problema? Privatizar porque, por princípio, a gestão privada é preferível à pública.
Isso ainda não foi dito explicitamente. Mas o terreno está sendo preparado. Ironicamente, é o emedebismo quem se escala para tocar essa jornada redentora – convertendo-se de inveterado penduricalho na administração pública em arauto do redentor liberalismo caipira – como se sobrassem credenciais à legenda para empreitada do gênero.
A semana começou com a notícia de que milhares de funcionários da empresa podem perder seus postos de trabalho. Sorrateiramente, surgiu a insinuação de que não existe jeito; que mesmo com muitos funcionários, falta gente para diversas funções; que os custos com mão de obra são muito elevados; que a indicação política é um câncer que inviabilizou a empresa. E aí fica, pairando no ar, a interrogação sobre o que fazer.
Os próximos desdobramentos podem indicar dois caminhos: a privatização impiedosa, sem choro nem vela, mas com ranger de dentes; ou o jeitinho habitual: enxertar levas de terceirizados na empresa, aproximando-a da lógica radical cada vez mais vigente no Brasil. Viabilizar qualquer destas alternativas vai exigir esforço imenso e – acredito – deve despertar uma reação descomunal dos funcionários da empresa.

Investida ampla

Vá lá que o brasileiro, letárgico, pouco reage aos rijos ataques a seus direitos, ou ao patrimônio coletivo, orquestrados nos últimos meses. Tudo bem que as questões de interesse nacional despertem-lhe, apenas, bocejos. Compreende-se que o mantra da perfeição da gestão privada fincou raízes sólidas sobre suas ideias, limitando outras formas de interpretação. Isso nem é novidade.
Mas, mesmo assim, a velocidade da investida espanta. Direitos trabalhistas, Previdência, terceirização despudorada, reforma do Ensino Médio – sob medida para alvejar os pobres que ingressam na educação superior pelo sistema de cotas -, teto de gastos, mudança nas regras do pré-sal, doação de patrimônio público a multimilionárias empresas privadas, tudo isso veio numa enxurrada só.
Agora é a vez dos Correios. Nenhum país relevante no mundo tem o seu sistema postal totalmente privado, conforme anseiam os emedebistas. Mas aqui, ultimamente, os mais ardorosos profetas do privatismo são, justamente, aqueles que mamaram nas tetas estatais durante décadas. Imagino que essa conversão inusitada constitua parte do pacto de poder, que sustenta a questionável legitimidade do mandatário de Tietê.
Tudo indica que o episódio dos Correios vai integrar os próximos capítulos da triste novela do desmanche do Brasil. Fica a dúvida sobre até quando permanecerá a omissão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…

Os riscos da hipotética deposição de Michel Temer

Aqui e ali, diluídos no meio do noticiário, já surgem comentários sobre a possibilidade de Michel Temer (PMDB-SP) ser apeado do poder, da mesma forma que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT). As razões variam: crime de responsabilidade no controverso episódio do edifício “La Vue”, em Salvador, irregularidades na prestação de contas eleitorais e, também, encrenca com as delações da operação Lava Jato. Temperando o mal-estar, a aguda crise econômica que, até agora, não dá sinais de que vá arrefecer no curto prazo. Indicativo que a instabilidade política vai se estender por 2017. A oposição já se assanha, prometendo protocolar pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. No momento, a iniciativa parece fadada ao fracasso: o polêmico presidente conta com base ampla e o pedido não deve prosperar. Mas ninguém sabe até quando essa tranquilidade deve prevalecer, sobretudo em função do cenário econômico adverso e das escassas medidas de curto prazo para reverter a recessão. Isso para não menc…