Pular para o conteúdo principal

Programas habitacionais lançaram pobres na periferia

Em texto anterior lançamos a discussão sobre a necessidade de se começar a avaliar a política de habitação popular em Feira de Santana. Particularmente o programa Minha Casa Minha Vida, de amplo apelo midiático nos governos petistas. É claro que houve avanços expressivos; mas é claro, também, que houve equívocos que precisam ser discutidos. Afinal, pelo jeito, essa era está chegando ao final.
No Brasil, pobre sempre penou para ter acesso aos espaços urbanos para moradia. Na média, esse acesso se deu com as ocupações que deram origem às favelas. Isso, muitas vezes, em morros ou depressões próximos das áreas nobres; os demais foram se arranjando nos espaços rurais, distantes, que aos poucos foram incorporados ao perímetro urbano, dando origem às periferias.
A presença do pobre nas imediações das áreas nobres sempre causou desconforto. Ao longo da história, não faltaram esforços para afastá-los, mantê-los a distância prudente. Foi o que aconteceu, por exemplo, no Rio de Janeiro, na primeira metade do século XX. Lá, por exemplo, construíram o conjunto Cidade de Deus na longínqua zona oeste com o propósito de alojar os pobres vítimas de enchentes ou de incêndios em favelas, nos anos 1960.
Posteriormente, essa estratégia se tornou política sistemática: em boa parte das cidades brasileiras, sobretudo nas metrópoles, lugar de pobre é na periferia longínqua. Mesmo que existam bairros próximos degradados, regiões centrais abandonadas, terrenos disponíveis que poderiam abrigar habitações populares. É bom que se reconheça que esse apartheid não é exclusividade brasileira.

Minha Casa Minha Vida

No segundo governo do ex-presidente Lula o impulso à habitação popular foi formidável. E continuou no primeiro mandato de Dilma Rousseff (PT), findando com a rasteira aplicada pelo emedebismo há quase um ano. Em parte, porém, a iniciativa replicou antigos vícios que se tornaram habituais nas últimas décadas.
É o caso do Minha Casa Minha Vida em Feira de Santana. Aviário, Conceição, Mangabeira, Santo Antônio dos Prazeres, Gabriela, Pampalona e Asa Branca tornaram-se os espaços preferenciais para a construção de condomínios populares. Todas são localidades distantes da valorizada região central da cidade.
As conveniências combinadas dos governos e das construtoras nortearam a política. Dessa forma, os blocos de apartamentos foram surgindo em áreas inteiramente despovoadas, além das periferias. A partir daí desbravava-se a vegetação para, em pouco tempo, surgirem sucessivas edificações. O problema é que, costumeiramente, a infraestrutura em torno é nenhuma.

Precariedade

Os problemas começam pela mobilidade. As distâncias são enormes, a oferta de transporte público é precária, as pessoas têm imensas dificuldades de se locomover para o trabalho, o estudo ou, até mesmo, para procurar trabalho. Sair pela manhã – e, sobretudo, retornar no início da noite – exige sacrifícios; e costuma ser arriscado, já que a insegurança é ainda mais aguda nesses lugares.
Sem planejamento, condomínios habitados por milhares de pessoas foram construídos sem creches, escolas ou postos de saúde nas imediações. Quando existem, são incapazes de suprir a demanda repentina. Também costuma faltar, até mesmo, infraestrutura de comércio e serviços e os preços são elevados para o nível de renda da população.
Alega-se que, ao longo do tempo, suprimem-se os problemas relacionados à oferta de serviços como transporte, saúde ou educação. Mas persistem outros, tão graves quanto aqueles: os moradores moram distantes das regiões dinâmicas que oferecem oportunidades de trabalho; os negócios costumam ser precários e pouco rentáveis; e qualificação só nas regiões mais dinâmicas da cidade. São questões que devem ser consideradas nas futuras avaliações dessas iniciativas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…

Os riscos da hipotética deposição de Michel Temer

Aqui e ali, diluídos no meio do noticiário, já surgem comentários sobre a possibilidade de Michel Temer (PMDB-SP) ser apeado do poder, da mesma forma que sua antecessora, Dilma Rousseff (PT). As razões variam: crime de responsabilidade no controverso episódio do edifício “La Vue”, em Salvador, irregularidades na prestação de contas eleitorais e, também, encrenca com as delações da operação Lava Jato. Temperando o mal-estar, a aguda crise econômica que, até agora, não dá sinais de que vá arrefecer no curto prazo. Indicativo que a instabilidade política vai se estender por 2017. A oposição já se assanha, prometendo protocolar pedido de impeachment na Câmara dos Deputados. No momento, a iniciativa parece fadada ao fracasso: o polêmico presidente conta com base ampla e o pedido não deve prosperar. Mas ninguém sabe até quando essa tranquilidade deve prevalecer, sobretudo em função do cenário econômico adverso e das escassas medidas de curto prazo para reverter a recessão. Isso para não menc…