Pular para o conteúdo principal

A seca e as políticas de transferência de renda



 
Quase todos os dias os jornais, as emissoras de rádio e televisão, os sites e os blogs vem noticiando os efeitos da seca que assola o Nordeste, particularmente a Bahia, onde mais de 200 municípios já decretaram situação de emergência. A estiagem, considerada a mais rigorosa nos últimos 30 anos, arrasou plantações, vem dizimando rebanhos e provavelmente vai gerar impactos sobre diversos municípios baianos, cujas economias dependem da agricultura e da pecuária. Sem chuva, quem mais padece é a população rural, mais pobre e mais exposta ao fenômeno.
Um dado positivo, no entanto, deve ser ressaltado: pelo menos até aqui, apesar de todos os problemas indicados pela imprensa, não há registros de mortes em função da seca. Situação muito diferente do que aconteceu entre 1979 e 1983, quando um número nunca determinado de nordestinos morreu de fome e de sede.
Para os governadores da época – boa parte entusiasta da Ditadura Militar em vigência – morreram 100 mil pessoas no período, sobretudo no Ceará, estado mais afetado pela estiagem. Essa estatística conservadora era favorecida pela mordaça que ainda amarrava a imprensa. Números divergentes, no entanto, estimam o total de mortos entre 700 mil e 3,5 milhões de pessoas.
Ao longo da calamidade, 1,5 milhão de nordestinos alistaram-se nas famigeradas frentes de trabalho organizadas pelos ditadores. Boa parte do dinheiro direcionado para essas frentes escorreu para o bolso dos corruptos de plantão, que se aproveitaram da tragédia para enriquecer com a chamada “indústria da seca”.

Benefícios Sociais

Passadas três décadas, o Brasil conseguiu evoluir muito em relação ao tema. As políticas de transferência de renda – benefícios sociais como o Bolsa Família, aposentadorias e outras iniciativas de transferência de renda – estão evitando que as pessoas migrem desesperadas para os grandes centros urbanos ou, simplesmente, morram de fome ou fraqueza.
Pela primeira vez essas políticas vem passando por um grande teste: caso fique evidente que contribuem para evitar que a tragédia se aprofunde, talvez os mais resistentes entendam sua importância e deixem de criticá-las. Já parece óbvio, porém, que a elevada mortalidade que os ditadores de três décadas atrás se esforçavam para encobrir não vai se repetir.
Isso não exime os governantes da responsabilidade de buscar construir alternativas para o desenvolvimento do semiárido. Perspectivas nesse sentido, porém, não são visíveis na linha do horizonte: o que há é apenas a questionável transposição do rio São Francisco, que parece mais voltada para beneficiar o agronegócio que, propriamente, reduzir os efeitos adversos dos períodos de estiagem.
Cada desafio tem seu lugar no espaço e no tempo: embora tenha se reduzido a possibilidade dos nordestinos morrerem de fome nas estiagens, graças às políticas de transferência de renda, segue necessária a construção de políticas públicas que assegurem um mínimo de sustentabilidade ao semiárido. Esse desafio é atual e permanece posto, como confirma o noticiário recente sobre a seca.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural de Feira de Santana I

A Sede da Prefeitura Municipal



A história do prédio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana começou há 129 anos, em 1880. Naquela oportunidade, a Câmara Municipal adquiriu o imóvel para sediar o Executivo, que não dispunha de instalações adequadas. Hoje talvez cause estranheza a iniciativa partir do Legislativo, mas é que naqueles anos os vereadores acumulavam o papel reservado aos atuais prefeitos. Em 1906 o município crescia e o prédio de então já não atendia às necessidades do Executivo. Foi, então, adquirido um outro imóvel utilizado como anexo da prefeitura.
Passaram-se 14 anos e veio a iniciativa de se construir um prédio único e que abrigasse com comodidade a administração municipal. Após a autorização da construção da nova sede em 1920, o intendente Bernardino Bahia lançou a pedra fundamental em 1921. O engenheiro Acciolly Ferreira da Silva assumiu a responsabilidade técnica.
No início do século XX Feira de Santana experimentou uma robusta expansão urbana. Além do prédio da p…

O Candomblé na Feira de Santana

Em Salvador, 53 terreiros de candomblé estão sendo revitalizados pelo governo estadual. As obras, que não vão absorver muitos recursos, têm um caráter mais simbólico que propriamente material, embora muitos terreiros tradicionais estejam em situação física muito precária, exigindo reparos. Responsável pela perpetuação da cultura de matriz africana, o candomblé foi implacavelmente perseguido durante séculos – e ainda é – e revitalizar os terreiros é uma iniciativa de reparação importante.

No carnaval, no dia-a-dia de quem visita a capital baiana, o candomblé, com seus ritos e orixás, está sempre presente. Certamente a crença de origem africana, trazida nos porões dos navios negreiros, é o traço cultural mais marcante da Baía de Todos os Santos e do seu entorno.

Boa parte dos negros que atravessaram involuntariamente o Atlântico para lançar as bases de cultura e da religião africanas nas Américas vieram para a Bahia e Salvador se tornou uma cidade negra, assim como outras do Caribe e da A…