Pular para o conteúdo principal

Lembranças de Havana (XII)



Domingo é o dia mais recomendável para se descobrir como vive um povo. Como se divertem, como são os momentos de descontração, como se relacionam com amigos e familiares. Domingo em Havana surpreende o desavisado viajante de País capitalista: as pessoas se dedicam ao ócio de maneira muito similar àquilo que se vê nos arredores latino-americanos. Ao longo do Malecón bebem-se generosas doses de rum, passeia-se com crianças endiabradas, adolescentes flertam com intenso alarido, casais de mãos dadas inspiram-se sob o sol cálido e o mar tranqüilo.
No final da tarde, um intenso burburinho toma conta das imediações do Hotel Nacional: formam-se filas, fala-se aos berros e extravasa-se a alegria do encontro, dali a instantes, com a exibição de um filme de Batman. Contenho a marcha, examino atentamente o cartaz exposto na entrada: Batman, de fato.
Os bêbados cubanos são tão chatos quanto seus similares brasileiros: à beira-mar um deles, entupido de rum, vocifera, esbraveja, baba e demonstra seu desarranjo com uns gestos trêmulos: a mulher – provavelmente a mulher – tenta convencê-lo, com paciência declinante, a atravessar a rua. Crianças miúdas já o fizeram e uma senhora gorda e idosa, que vaqueja os pequenos, lamenta a carraspana com impropérios.
Fiquei uns instantes apreciando os esforços para fazer o bêbado atravessar a rua. Ao redor casais, muitas crianças, homens e mulheres, riam, se divertiam com o vexame. Por fim, o bebum acabou convencido a atravessar a avenida. Depois que o fez, seguiu reclamando e, por fim, o cortejo dobrou uma esquina e desapareceu.
O sol muito morno era um convite para preguiçar à beira-mar até o fim da tarde. Soprava um vento suave, um pouco frio, o que tornava o sol mais acolhedor. A luz que se refletia, escandalosa, nas fachadas embaçava a vista, produzia uma sensação muito agradável.
Tarde de domingo sem consumo conspícuo. Somente a brisa marinha, o sol cálido, a melodia dos mares, a dança das ondas, os passos preguiçosos ao longo do calçadão. Umas gaivotas sobrevoam os arredores e piam alto. As asas cortam o ar num bailado desengonçado e trêmulo.
Nos curtos intervalos em que o mar toma fôlego, paira um silêncio profundo, suavemente rompido pelas vozes e risos distantes, pelos sons abafados dos motores longínquos.
Naquela tarde as referências capitalistas se diluíram, deixando um vazio preenchido por uma lânguida reflexão. Pensava nos símbolos do consumo, típico das tardes de domingo. Pensava, mas não conseguia achar respostas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Valor do Bolsa Família cai 56% em quatro anos em Feira

Em dezembro, o valor repassado pelo Governo Federal aos beneficiários do programa Bolsa Família na Feira de Santana alcançou R$ 4,088 milhões. É o valor mais baixo desde agosto de 2009, quando os feirenses contemplados pelo programa receberam, no total, R$ 3,949 milhões. Corrigido, esse valor de então alcançaria R$ 6,3 milhões em dezembro passado. Os números são oficiais, divulgados no balanço mensal do programa Brasil sem Miséria, no site do antigo Ministério do Desenvolvimento Social. O número de beneficiários do programa no município também segue em queda: no mês passado, eram apenas 34.045 famílias atendidas. Em dezembro do ano anterior – já em plena crise econômica – o número alcançava 41,3 mil famílias. Isso significa sete mil famílias a menos – ou quase 30 mil pessoas – público superior à população de centenas de municípios baianos. Em março de 2013 os repasses alcançaram o auge: R$ 7,080 milhões. Em valores atuais, esse montante representa R$ 9,1 milhões. Em outras palavras, em …

Prefeito Graciliano Ramos é referência para os dias atuais (II)

O primeiro relatório encaminhado por Graciliano Ramos, prestando contas de sua atuação à frente da prefeitura de Palmeira dos Índios, repercutiu junto à imprensa alagoana e, até mesmo, no Rio de Janeiro. Mais que o desempenho satisfatório das atividades, foi o estilo pessoal e o conteúdo altamente literário que despertaram as atenções da imprensa. Em 1929 o futuro autor de “São Bernardo” repetiu o feito, encaminhando novo relatório com o mesmo estilo.
Naquela época o literato desabrochava: desde 1925 ele se dedicava à elaboração de um romance que só foi concluído oito anos depois: “Caetés”. Anos antes, em 1921, quando era um pacato comerciante à frente da loja “Sincera”, Graciliano Ramos aventurara-se publicando, sob pseudônimo, uma série de artigos num semanário de Palmeira dos Índios, o “Índio”.
Na prefeitura, durante 1928, Graciliano Ramos manteve a luta para extinguir benefícios injustificáveis, o que resultou em expressiva elevação da arrecadação, conforme ele mesmo apontou no segu…