Pular para o conteúdo principal

Lembranças de Havana (XII)



Domingo é o dia mais recomendável para se descobrir como vive um povo. Como se divertem, como são os momentos de descontração, como se relacionam com amigos e familiares. Domingo em Havana surpreende o desavisado viajante de País capitalista: as pessoas se dedicam ao ócio de maneira muito similar àquilo que se vê nos arredores latino-americanos. Ao longo do Malecón bebem-se generosas doses de rum, passeia-se com crianças endiabradas, adolescentes flertam com intenso alarido, casais de mãos dadas inspiram-se sob o sol cálido e o mar tranqüilo.
No final da tarde, um intenso burburinho toma conta das imediações do Hotel Nacional: formam-se filas, fala-se aos berros e extravasa-se a alegria do encontro, dali a instantes, com a exibição de um filme de Batman. Contenho a marcha, examino atentamente o cartaz exposto na entrada: Batman, de fato.
Os bêbados cubanos são tão chatos quanto seus similares brasileiros: à beira-mar um deles, entupido de rum, vocifera, esbraveja, baba e demonstra seu desarranjo com uns gestos trêmulos: a mulher – provavelmente a mulher – tenta convencê-lo, com paciência declinante, a atravessar a rua. Crianças miúdas já o fizeram e uma senhora gorda e idosa, que vaqueja os pequenos, lamenta a carraspana com impropérios.
Fiquei uns instantes apreciando os esforços para fazer o bêbado atravessar a rua. Ao redor casais, muitas crianças, homens e mulheres, riam, se divertiam com o vexame. Por fim, o bebum acabou convencido a atravessar a avenida. Depois que o fez, seguiu reclamando e, por fim, o cortejo dobrou uma esquina e desapareceu.
O sol muito morno era um convite para preguiçar à beira-mar até o fim da tarde. Soprava um vento suave, um pouco frio, o que tornava o sol mais acolhedor. A luz que se refletia, escandalosa, nas fachadas embaçava a vista, produzia uma sensação muito agradável.
Tarde de domingo sem consumo conspícuo. Somente a brisa marinha, o sol cálido, a melodia dos mares, a dança das ondas, os passos preguiçosos ao longo do calçadão. Umas gaivotas sobrevoam os arredores e piam alto. As asas cortam o ar num bailado desengonçado e trêmulo.
Nos curtos intervalos em que o mar toma fôlego, paira um silêncio profundo, suavemente rompido pelas vozes e risos distantes, pelos sons abafados dos motores longínquos.
Naquela tarde as referências capitalistas se diluíram, deixando um vazio preenchido por uma lânguida reflexão. Pensava nos símbolos do consumo, típico das tardes de domingo. Pensava, mas não conseguia achar respostas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Patrimônio Cultural de Feira de Santana I

A Sede da Prefeitura Municipal



A história do prédio da Prefeitura Municipal de Feira de Santana começou há 129 anos, em 1880. Naquela oportunidade, a Câmara Municipal adquiriu o imóvel para sediar o Executivo, que não dispunha de instalações adequadas. Hoje talvez cause estranheza a iniciativa partir do Legislativo, mas é que naqueles anos os vereadores acumulavam o papel reservado aos atuais prefeitos. Em 1906 o município crescia e o prédio de então já não atendia às necessidades do Executivo. Foi, então, adquirido um outro imóvel utilizado como anexo da prefeitura.
Passaram-se 14 anos e veio a iniciativa de se construir um prédio único e que abrigasse com comodidade a administração municipal. Após a autorização da construção da nova sede em 1920, o intendente Bernardino Bahia lançou a pedra fundamental em 1921. O engenheiro Acciolly Ferreira da Silva assumiu a responsabilidade técnica.
No início do século XX Feira de Santana experimentou uma robusta expansão urbana. Além do prédio da p…

O Candomblé na Feira de Santana

Em Salvador, 53 terreiros de candomblé estão sendo revitalizados pelo governo estadual. As obras, que não vão absorver muitos recursos, têm um caráter mais simbólico que propriamente material, embora muitos terreiros tradicionais estejam em situação física muito precária, exigindo reparos. Responsável pela perpetuação da cultura de matriz africana, o candomblé foi implacavelmente perseguido durante séculos – e ainda é – e revitalizar os terreiros é uma iniciativa de reparação importante.

No carnaval, no dia-a-dia de quem visita a capital baiana, o candomblé, com seus ritos e orixás, está sempre presente. Certamente a crença de origem africana, trazida nos porões dos navios negreiros, é o traço cultural mais marcante da Baía de Todos os Santos e do seu entorno.

Boa parte dos negros que atravessaram involuntariamente o Atlântico para lançar as bases de cultura e da religião africanas nas Américas vieram para a Bahia e Salvador se tornou uma cidade negra, assim como outras do Caribe e da A…